Ela achava. Ele tinha certezas.

30 de agosto de 2009

Ela achava que ele era infantil. Mas era ela quem estava ali terminando pela 2ª vez pelo motivo mais infantil.
Ele acreditava que ela era mimada. Apenas teve a certeza disso.
Ela achava que ele era inseguro. Mas era ela quem estava ali mostrando toda a sua insegurança.
Ele era inseguro. Apenas viu que tinha razão em ser inseguro.
Ela achava que ele pesava demais as coisas. Mas era ela quem estava ali colocando e sentindo o peso nas suas costas.
Ele não queria mais sofrer. Mas ela não se importou com isso.
Ela achava que não era capaz de conseguir. Mas conseguiu terminar pela 2ª vez.
Ele tentava entender. Mas ela já entendia tudo (errado).
Ela achava que ele não conhecia ela. Mas ele já sabia o que iria acontecer naquele dia.
Ele, novamente, abriu sua ferida. Mas ela não é mais vitima (e sabe disso).
Ela achava que ela dava mais uma chance. Mas era ele quem dava.
Ele acreditava que ela poderia mudar. Mas ela nunca quis mudar.
Ela achava que tudo seria tranquilo. Mas nada nunca é tranquilo.
Ele acreditava que poderia resolver os problemas. Mas ela sempre fugiu deles.
Ela achava que ele estaria a disposição dela para todo o sempre. Ela vai descobrir que não.
Ele não mentiu para ela. Mas ela nunca acreditou nele.
Ela achava que os outros estavam errados ao dizer que ela complicava. Ele ficou em silencio.
Ele era feliz com ela. Mas ela nunca era feliz com ele.
Ela achava que tudo voltaria ao normal e que os dois seriam bons amigos. Ele já tinha a certeza que não.
Ele sabia que as mudanças iriam vir. Ela nunca viu isso.
Ela achava que os riscos estariam ali a vista das suas decisões. Mas ele sabia que era mais do que isso.
Ele deixou seu coração no chão da porta da casa dela com o mais breve adeus e chorou. Ela...

Ela achava.
Ele tinha certezas.

O Lapso

Ps.: O Blog e este escritor que vos escreve entra de férias forçadas até segunda ordem devido a motivos óbvios.

7 Reações:

Ioh. disse...

Alguma reação.
Vamos... Vamos dar férias aos nossos corações.

O Lapso disse...

Tem gente que nasce para ser coadjuvante e se resume. Tem gente que nasce e morre sem personalidade. Gente que deixa a vida passar vivendo a vida dos outros. Gente que deixa os outros pensar para ter o que seguir, o que falar, do que rir. Gente sem crença legitima.

Eu chamaria de "baba ovo" (e dessa eu não preciso nem ter certeza).

Vamos relativizar tudo e voltar ao blá blá blá, porque sempre haverá teses e antíteses.

pablo disse...

acho que no final das contas, todos tinham certeza, ele achava qe tinha certeza e ela era.....vamos dizer....indiferente

Ioh. disse...

Pablito e seu parecer! =D

O Lapso disse...

Cada um tem seu parecer e sempre é valido.

Mas uma coisa eh fato: A culpa é sempre minha. Toda ela.

Incrível como as palavras saem quando se está com raiva.

Sem mais.

Ricardo Monteiro da rocha Franco Filho disse...

Gostei do eu-lírico.

O Lapso disse...

rsrs