Data venia

2 de março de 2010

Preciso de algo para acreditar, qualquer sinal que me faça perder o olhar e depois vê-lo brilhar. Qualquer gesto singular e particular para que eu possa parar de pensar. Por que pensar é bloquear qualquer forma de expressão que eu não queira mostrar. Tive medo de arriscar, ensaiei uma cena dramática, tão natural quanto o tocar, mas não pude recorrer sem saber o que vem de lá. Às vezes não presto atenção nos detalhes, sou egoísta e desatento, mas me subestimar é pedir para atentar. Preciso apenas acordar, só então conseguirei ver as cores das flores e ouvir o canto dos pássaros, que na sua beleza própria são livres para ser o que desejar. De todos os caminhos que estou a trilhar, só penso naquele que quero cruzar. Em paralelo não me serve, então calo se desejar. Uma preocupação a mais pela distancia que tenho receio em tomar, nunca por querer assim. Mais feliz eu serei um dia em que em mim possam acreditar e confiar.

O Lapso

4 Reações:

O Lapso disse...

Post especial para uma pessoa que gosto muito... vamos ver se ela identifica e comenta por aqui.

Rafa ... disse...

Muito bom! Adorei a parte do "pensar é bloquear qualquer forma de expressão que eu não queira mostrar." Mas pensar também é usar a razão e não dá espaço aos instintos ....

queria saber quem é a pessoa...

Ioh. disse...

"Que a força do medo que tenho
Não me impeça de ver o que anseio

Que a morte de tudo em que acredito
Não me tape os ouvidos e a boca
Porque metade de mim é o que eu grito
Mas a outra metade é silêncio.

...
Que o medo da solidão se afaste, e que o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável.

Que o espelho reflita em meu rosto um doce sorriso
Que eu me lembro ter dado na infância
Por que metade de mim é a lembrança do que fui
A outra metade eu não sei."

O Lapso disse...

"...

Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
Pra me fazer aquietar o espírito
E que o teu silêncio me fale cada vez mais
Porque metade de mim é abrigo
Mas a outra metade é cansaço.

Que a arte nos aponte uma resposta
Mesmo que ela não saiba
E que ninguém a tente complicar
Porque é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
Porque metade de mim é platéia
E a outra metade é canção.

E que a minha loucura seja perdoada
Porque metade de mim é amor
E a outra metade também."